« Voltar

17/09/2013

Vanzin Penteado participa de Mutirão do Seguro Obrigatório no TJSC

Cerca de 900 processos do dpvat movimentarão mutirão a partir desta terça

Na manhã desta terça-feira (17), às 10 horas, foi aberto oficialmente o Mutirão de Conciliação do Dpvat (Seguro Obrigatório contra Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre), nas dependências da Passarela Nego Quirido, no centro da Capital.

Coordenado pelo Conselho Gestor dos Juizados Especiais e Programas Alternativos de Solução de Conflitos, o evento atenderá, além dos processos já em tramitação, àquelas pessoas que tiverem dúvidas relacionadas ao seguro obrigatório.

O desembargador Victor Ferreira, coordenador do Conselho Gestor, foi o responsável pela abertura dos trabalhos. Ferreira falou sobre a preocupação do Tribunal de Justiça com a busca de soluções consensuais dos conflitos antes de serem instaurados os processos. “A Justiça catarinense foi a precursora das semanas de conciliação no Brasil e os grandes mutirões realizados em todo o Estado culminaram na ideia de centralizar os atendimentos”, disse o magistrado. Destacou que a melhor forma de solucionar qualquer controvérsia é através do diálogo, do consenso.

Em seguida, o coordenador do evento, juiz Antônio Augusto Baggio e Ubaldo, titular do 1º Juizado Especial Cível da Capital, fez uma saudação especial aos conciliadores que vêm, de forma voluntária, contribuir com seu trabalho, para a solução dos conflitos. Saudou, também, os jurisdicionados que são a causa deste mutirão. “É na tentativa de resolver os problemas pendentes que estamos dispondo desse instrumento e colocando-o a seu dispor. É mais um passo na implantação da cultura de conciliação. E acrescentou, “é fundamental que tenhamos uma formação jurídica voltada ao diálogo buscando a solução dos conflitos de forma consensual”. Por fim, destacou a importância da realização de perícias durante o mutirão, uma vez que, com a avaliação médica, será mais fácil conciliar as partes.

Um balcão de atendimento foi montado durante todo evento para esclarecimentos e informações. A auxiliar de serviços gerais, Índia Hilda Silveira, 45 anos, moradora de Biguaçu, esteve na manhã desta terça-feira justamente para obter mais esclarecimentos sobre o seguro obrigatório. Há seis anos ela sofreu um acidente de moto que resultou em 11 fraturas em todo o corpo. Desde então já passou por onze cirurgias e está há um ano sem movimento em uma das pernas. Ela diz que queria mais explicações sobre seus direitos pois já recebeu uma pequena quantia do seguro mas, em virtude do estado em que se encontra, acha que deveria receber mais.

Para Therezinha França, gerente jurídico corporativo de uma seguradora, o mutirão é mecanismo importante para desafogar o judiciário principalmente por ser um procedimento gratuito Segundo ela, os acordos promovidos durante o mutirão são importantes para agilizar os processos que costumam se arrastar por anos.

 Feliz com dois acordos realizadas já no início dos trabalhos, a conciliadora voluntária Tânia Garcia Alexandre Petry, que cursa a décima fase de direito, destacou a celeridade que os interessados terão, ao conseguir a resolução de seus conflitos através do diálogo e do acordos entre as partes.

 Acompanharam a abertura do Mutirão, o representante do Ministério Público, promotor de justiça Raul Rabello, os diretores Maurício Spricigo (Diretoria-Geral Judiciária) e Cleverson Oliveira (diretoria-Geral Administrativa), técnicos do Conselho Gestor, setor organizador do evento, bem como advogados e público em geral.

 

Fonte: TJ-SC

Link: http://app.tjsc.jus.br/noticias/listanoticia!viewNoticia.action?cdnoticia=28777